quinta-feira, 26 de junho de 2008

5400.

Sentar-me na quarta mesa,
a partir do quadro, de lado para a janela.
Abrir a mochila.
Tirar e abrir livro e caderno.
Contemplar a professora,
saber-lhe os gestos, saber-lhe
as palavras, confessar-lhe mudo
o meu desinteresse.
Atentar no livro, sublinhar o que interessa,
dar a matéria por entendida ou por
ignorada.
Ver, lá fora, pela janela/sonho
outras aldeias...

2 comentários:

novecentos disse...

sincero e cansado, mas está quase, quaseee.

Paula disse...

O aluno ausente flutuando noutras dimensões!

Mas será que a professora se apercebe do génio de poeta que permanece na quarta mesa a contar do quadro, junto à janela?
Tenho a certeza que sim!

Abraço de esperança pelas férias que se aproximam!