sábado, 17 de maio de 2008

A Bocage.

Inimigo de alcoviteiras, cabrões e frades
Lírico de fronte honesta, certeira e directa
Dono de mil paixões, de carne macia e dilecta
Se fôssemos contemporâneos, éramos compadres!

Contestando os hipócritas de meias-verdades,
e os sonsos de malformação, foste profeta
de um povo, que ainda não se detecta
ter perdido as manias ou as habilidades!

Clamo-o sem maldade ou algum veneno!
Ó lírico companheiro, sinto-me pequeno
e se o tenho ou se me resta algum talento!

(Escutai-me bem, só por um momento)
É dedicado a ti, Bocage, este meu avacalho
Quem não gostou pode bem ir p´ró caralho!

3 comentários:

alice disse...

o bocage ia adorar, de certeza :)

Tania disse...

Forte, à boa maneira "bocagiana"!
Diferente do q nos tens habituado mas igualmente bom ;) Gostei!

Bjinho*

Nuno Gago disse...

beautiful


abraço