segunda-feira, 26 de maio de 2008

Amor vão.

Amor, dá-me preguiçosa, a tua mão
Esqueçamos tudo, tudo o que está lá fora
Esqueçamos todo e qualquer sonho vão
Esqueçamos que Ela não tarda, não demora...

Vem para aqui, amor, onde só estão
os que não o sabem. Vem, vem agora
amor, é o tempo de nós. Triste de são
quem não ama! Vem, amor, é a hora...

Finjamos que é para sempre, que nunca acaba
Que os beijos que damos, e o que sentimos
São tudo, condensado neste nosso Universo

Esqueçamos, amor, que apenas nos iludimos
Que o desejo, a poesia, a lírica, o verso
São só mentiras do sentimento que mais nos aldraba.

Um comentário:

Paula disse...

Lindo! Linnnnnnndo!

Parabéns pela sua escrita!

Na simplicidade das palavras voamos em serenidade!

Abraço.