quarta-feira, 21 de maio de 2008

A rotina. (III)

Acordo. 7.29.
Estremeço e cambaleio.
O cheiro a descrença inunda o ar e entontece.

*
Vejo coisas. Que vejo eu
que mais ninguém vê?
Penso. Alguém gosta de pensar?
Ou é só trabalho, aborrecimento, chatice?
*
Um velho de pele escarlate, de olhos marinhos
perde-se nas cartas, na bisca, na batota...
Em que é que ele é diferente de mim, arrogante
incoerente, que espero um inteiro dia para me perder
no bilhar?
A Dona Alice, fiel Dona Alice.
Uma esforçada hora, de série pequena,
bola oito, branca no buraco, saca bola, bola posta, tabelas, snooker,
2.80€, inconsequentes dois euros e oitenta cêntimos.
Ó Dona Alice, traga mas é de lá as cervejas...
(Passa o tempo. Morre a gente.)
*
Não me consigo expressar. Desisto. Rendo-me.
Nunca mais ouvirão uma palavra de mim!
Nunca. Nunca. Nunca.
Três vezes. Como Deus quis.
*

Quem me fez assim?

2 comentários:

Danny disse...

a tua escrita cativa.

"Os sonhos criam-se. Não se sonham." , devo dizer que adorei esse post em especial :)

Nuno ago disse...

i love it

Xd