sábado, 1 de março de 2008

A Salgueiro Maia.

Jovem Capitão,
De nome Salgueiro Maia.
Com nobre persuasão,
trouxeste o novo dia que raia.

Na Escola de Cavalaria
Firme mas sereno,
Quiseste saber, quem te seguiria
E avançaste, pleno.

De razão coração.
Ao regime, exigiste
incondicional rendição.
"Liberdade! Ouviste?"

O regime temeu
"O poder popular..."
De medo se encolheu,
obrigado a resignar.

Herói reservado,
Oficial exemplar
da Liberdade, criado.
Urge-te recordar!

Um comentário:

ana luísa disse...

uau :O

já me perguntava quando é que fazias um poema sobre salgueiro maia . parabéns :)