segunda-feira, 14 de julho de 2008

Quando eu morrer.

Quando eu morrer quero que digam
Eis o Homem que se esquecia pelo bilhar
Que contornava as rotundas pela esquerda
e subia as escadas em vez de tomar o elevador.

Quando eu morrer quero que façam
uma festa grande. Que tragam muitas bebidas,
riam como doidos e esqueçam o dia de amanhã.

Quando eu morrer não escrevei mais.
Se calhar, escreverão sobre mim
e clamar-me-ão para um e para outro partido.

Quando eu morrer quero que as pessoas digam
"Sim, é isto!" e concluam que concluir
é chegar a lado nenhum.

Quando eu morrer nada disso não terá importância.
Mas não se esqueçam, quando eu morrer
quero uma festa! Muitas bebidas,
risos doidos, sem o dia de amanhã...

3 comentários:

Cathy disse...

Tu e essa mania de contornar as rotundas pela esquerda... :)Espero não me cruzar contigo em nenhuma! :)Continuo a preferir aqueles encontros casuais, a pé, à porta da minha casa...parecem-me mais inofensivos! Beijocas da "vizinha"***

AnaBárbara disse...

:)*

Tania disse...

Acredita que nao ha nada melhor do que contornar as rotundas pela esquerda:D É a loucura!!
Quanto ao texto, esta no meu top10. Muito bom, mesmo muito bom!

Bjinho*