quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Desabafo.

Não. Parem. Chega. São demasiados anos. Não aguento. A vossa voz...
Não estou onde quero estar. Talvez nunca esteja onde quero estar.
Calem-se, por favor. De certeza que isto não faz bem a ninguém.
Não, não fales comigo. Já devias saber que só estou sozinho, quando durmo.
Talvez nem aí. E é tudo o que prezo. O meu desassossego de
nunca estar onde quero estar. Só queria perceber-te.
A cabeça pesa-me, pesa-me, como se estivesse por cair, independente
de mim. Não fiz mal a ninguém, talvez porque nunca fiz nada.
Nunca fiz nada. Nunca estou onde quero estar.

Quero sair daqui. Vou sair daqui. Sim, é isso que quero.
Já não tenho idade para utopias. Independência. Isso, apenas isso.
Independência. Nunca fiz nada. Nunca estou onde quero estar.

Um comentário:

Tania disse...

Gostei tanto deste "desabafo" :)
Vou voltar a ler..

Bjinho*