quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Casa.

Ao cair constante da chuva
vejo a tua metódica face e acordo
acordo de raiva, maltratando a inocente
almofada

"-O que te falta? Porra, o que te falta?"
Trechos de uma vida metódica, analisada
Passagens de frios guerreiros enfiados
neste mesmo campo de batalha - casa.

O eco da pergunta que não foi feita
balanceia-se, fluí triste.
E somos os mesmos, adormecendo de raiva
perguntando o que falta? o que falta?

Um comentário:

Paula disse...

Um estado de alma comum a muitos, mas que nem todos se lembrariam de transpor para poesia.
O que nos falta? Metidos nas nossas paredes, nas nossas conchas, afinal o que nos falta? Porquê a sensação de incompletos,inacabados, limitados...

Abraço